sexta-feira, 28 de abril de 2017

Avião da Alitalia quase chocou com OVNI

O caso divulgado pelo Ministério da Defesa britânico, ocorreu em 1991 e foi investigado durante anos pela Autoridade da Aviação Civil e pelos militares.
Acabou arquivado sem que se tivesse chegado a alguma conclusão.

É um estranho caso não esclarecido e só a divulgado. O Ministério da Defesa britânico revelou que, em 1991, um objecto voador não identificado passou a curta distância de um avião de passageiros da Alitalia que sobrevoava a cidade inglesa Kent.
O comandante Achille Zaghetti ficou tão assustado que gritou "cuidado, cuidado!" para o seu co-piloto.
O comandante do voo da Alitalia disse que viu o objecto voador não identificado (OVNI) - castanho e com a forma de um míssil - a passar a uns escassos 300 metros do seu avião, quando sobrevoava a cidade britânica de Kent, em 1991.
O caso divulgado em 2008 divulgado pelo Ministério da Defesa Britânico, foi investigado durante anos pela Autoridade da Aviação Civil e pelos militares, tendo acabado por ser arquivado sem que se tivesse chegado a alguma conclusão.

O mais estranho é que, logo após ter visto o OVNI, o comandante da companhia aérea italiana comunicou com a torre de controlo, que o informou de que o único objecto identificado pelo radar estaria a cerca de 10 milhas de distância do avião da Alitalia.
O avião, MCDonnell Douglas MD80 , seguia de Milão para o aeroporto londrino de Heathrow e levava 57 pessoas a bordo.
O dossiê sobre o assunto revela que uma estação de televisão local transmitiu a história de um rapaz de 14 anos, que afirma ter visto nessa noite um míssil a atravessar o céu a baixa altitude, antes de ter desaparecido entre as nuvens.
O incidente de Kent é um dos 19 casos sobre aparições de OVNI, ocorridos entre 1986 e 1992, que estão disponíveis no site dos Arquivos Nacionais da Grã-Bretanha.
Existem outros casos de passageiros de voos comerciais que dizem ter visto OVNI em 1991 quando sobrevoavam a Grã-Bretanha.
Entre os arquivos, agora revelados, consta ainda o relato de um piloto da Força Aérea americana que terá recebido a ordem para atirar sobre um OVNI que apareceu no seu radar quando sobrevoava East Anglia, no leste de Inglaterra.

Crédito: Expresso

Os extraterrestres existem e virão um dia até nós

O realizador de Alien, Ridley Scott, garante que acredita em extraterrestres, mais evoluídos que os humanos, e que nos vão encontrar um dia.

O cineasta de 79 anos está a preparar-se para lançar o sexto filme da série de ficção científica/terror "Alien", no próximo mês.
Citado pela britânica Sky News, Ridley Scott diz acreditar seriamente que não somos os únicos seres a habitar o universo.
"Os especialistas da NASA já disseram que existem entre 100 e 200 entidades que podem ter uma evolução semelhante à nossa neste momento.".
"São muito mais espertos do que nós e se alguém for estúpido o suficiente para desafiá-los, será eliminado em três segundos."
O seu novo filme aborda uma tripulação composta por vários casais que pretendem colonizar um novo planeta com parecenças com a Terra, mas o que se pensava ser o paraíso rapidamente se torna num pesadelo.
Scott diz que nunca se cansou de assustar os seus espectadores e afirma não ser facilmente assustado: "Não me assusto facilmente, tenho uma pistola de 9mm".
"Alien: Convenant" estreia nos cinemas a 10 de maio.

SIC Notícias

Será que não vieram já?!

Avistado OVNI em Lisboa

Localização - Lisboa

Data e hora - 07/01/2017 - 23:21h 

Testemunha - Sr. João 

Relato da testemunha...
Boa tarde, estou a escrever este e-mail porque quero saber se mais alguém viu o que eu vi e não sei como chegar às pessoas que possam ter visto. 
Falar com vocês ou divulgar a minha história num site português de ufos penso que é a única maneira de saber se mais alguém viu o que eu vi e ter assim 100% de certeza que foi real em vez de 99% se as caracteristicas do avistamento forem identicas.

Sou estudante de Engenharia, tenho 23 anos e adoro o céu, ver estrelas cadentes (meteoros), pelo que estou habituado a ver este fenómeno e conhecer as suas características sendo as mais relevantes o facto de deixar rasto, a maior parte das vezes a intensidade da luz do meteoro causado por estar a arder e a desintegrar-se variar e isto acontecer a alturas elevadas sendo que a 'bola de luz' em si ser bastante pequena quando vista do chão (no máximo com o diâmetro dum berlinde, um pouco maior que as estrelas). 
Além disso sempre fui bastante céptico em relação a ovni's, fantasmas e todo esse tipo de fenómenos e sempre achei que eram uma farsa.

Foi no dia 7 de Janeiro de 2017 às 23.21h, em Benfica mais concretamente entre o Fonte Nova e o Don Giovanni (por cima da segunda circular). 

Estava a vir de casa de uma amiga em direcção à minha depois de jantarmos e vejo uma bola de luz amarela/laranja intensa com o tamanho duma bola de basket (em comparaçao com o tamanho duma estrela que nem do tamanho dum berlinde chega a ser, aos nossos olhos) a deslocar-se a uma velocidade indescritivel (2segundos ou menos e desapareceu), sem barulho, sem qualquer tipo de rasto, sem qualquer variação de intensidade da luz, a uma altitude relativamente baixa, paralelo ao chão e o seu sentido era do monsanto para o estádio da luz sensivelmente. 
O meu primeiro instinto foi querer achar que aquilo era uma estrela cadente mas NENHUMA caracteristica batia certo: o tamanho - era grande demais, o facto de não ter rasto, a velocidade elevadíssima, a baixa altitude, a rota ser paralela ao chão e o facto de não variar de intensidade como se tivesse a arder. 
Isto acrescido ao facto de em Lisboa nunca ter visto uma estrela cadente devido à imensa poluição luminosa e de aquando desse avistamento ter vários candeeiros relativamente fortes a ofuscar-me a visão pelo que praticamente nem estrelas é possível ver quanto mais estrelas cadentes.
Fiquei em choque quando me apercebi que não podia ser um meteoro e tentei arranjar outras explicações razoáveis: um satélite, flares, um drone mas todas elas eram facilmente excluídas devido às caracteristicas do que eu vi. 
Não sabia o que tinha acabado de ver nem queria acreditar e isso assustou-me um pouco, fiquei nervoso sem saber o que fazer a seguir, então decidi ligar à minha amiga com quem tinha acabado de estar e contar-lhe o que tinha acabado de acontecer. 
Ela como me conhece bem, sabe que sou uma pessoa bastante racional e de confiança e não ia inventar aquela história do nada, e provavelmente pelo meu tom acelerado/nervoso a contar-lhe o que tinha acabado de ver e nao conseguia explicar, ela acreditou plenamente em mim e recomendou-me a ter calma e falar com alguem informado sobre o assunto ou pesquisar na net se alguem mais tinha visto e relatado o que viu no mesmo dia.


No dia a seguir pesquisei inclusivé no vosso site se alguem tinha visto ovni's no mesmo dia ou na mesma zona que eu e o único video desse dia (no vosso site, youtube, etc) era dum senhor em leiria que afirma que leiria é a 'meca dos ovni's de portugal' ou algo assim. 
Recentemente vi que esses vídeos foram eliminados e achei estranho mas tambem nao correspondia bem ao que vi, os videos dele eram luzes que acendiam e apagavam de várias cores e mais ou menos estáticas. 
Contei a colegas do meu curso de Engenharia e para meu espanto muitos suportaram o meu relato e disseram-me para falar com um professor nosso que pelos vistos também acredita nesses fenomenos mas eu achei melhor não. 
Continuei a pesquisar sobre o assunto ufo, vi muitos videos, e descobri um que se assemelhava muito ao que eu vi que é o video de jerusalem, mostrei aos meus colegas e tudo, mas depois vim a descobrir que era uma farsa.. 



Então aprofundei-me ainda mais no assunto e queria videos ou provas irrefutaveis e cheguei aos videos da NASA em particular da STS-48 em 1991 se nao me engano e muitos outros, da iss, em que eles cortam o live feed, outro video da marinha chilena que grava um ovni que liberta gases quando filmam em infra-vermelhos, relatos da MUFON e de muitas outras organizações viradas para o estudo deste fenómeno. 
E dei/dou por mim a acreditar veementemente que existem ovni's e que na minha opinião é IMPOSSIVEL serem fabricados pelo homem, nada construído pelo homem era capaz de se deslocar à velocidade do que eu presenciei e muito menos sem fazer o mínimo barulho. 
Era BASTANTE mais rápido que um avião supersónico. 
Penso que o que me desmotivou de partilhar esta história foi o facto de a única prova que isto aconteceu ser a minha palavra e não haver foto nem vídeo. 
Então escrevo isto com a esperança que alguém tenha visto o mesmo que eu, e que como eu, decidiu não falar sobre o assunto publicamente. 
Tirei uma foto do sitio exacto em que presenciei este avistamento e se tiver algum feedback estou disponivel para responder a qualquer pergunta que queiram fazer.




Fotos da localização vs observação da testemunha
Se observou o mesmo fenómeno deixe o seu testemunho abaixo nas mensagens ou queira entrar em contacto connosco via email ufo_portugal@sapo.pt 

quarta-feira, 26 de abril de 2017

Uma campanha Kickstarter quer ajudar a encontrar a vida extraterrestre


Em fevereiro, uma equipe do Telescópio Espacial Spitzer da NASA anunciou uma descoberta histórica – sete planetas do tamanho da Terra em um sistema solar próximo, três dos quais estão na zona habitável da órbita de sua estrela. Foi o maior achado de planetas potencialmente habitáveis ao redor de uma única estrela, empolgando os cientistas, como também o público, sobre a possibilidade de descobrir vida extraterrestre.

Thomas Zurbuchen, administrador associado do diretorado da missão de ciências da agência disse:

A descoberta poderia ser uma peça significante no quebra-cabeças da descoberta de ambientes habitáveis, lugares que são conducentes à vida.

Agora, os astrônomos da Planet Foundation querem ajudar na procura de vida em exoplanetas próximos, procurando apoio através de uma campanha Kickstarter que foi lançada esta semana. Eles estão construindo uma série de telescópios numa montanha de 3 mil metros de altura na ilha de Maui, no Havaí.
Kevin Lewis, que trabalha na campanha, disse ao Digital Trends:

Estamos tentando conduzir este esforço acadêmico para encontrarmos sinais de vida em exoplanetas próximos e abrirmos isso para o público em geral.

Dividida em três fases – cada uma para que seja expandido o telescópio um pouco mais do que a última, os telescópios PLANETS (polarized light from atmospheres of nearby extraterrestrial systems) são especialmente projetados para observação de exoplanetas com características como o polimento avançado e espelhos ultrafinos.  Estas tecnologias fazem com que os telescópios PLANETS sejam únicos, reduzindo o brilho das estrelas e tornando mais visíveis as características dos exoplanetas – inclusive as bio-assinaturas, formações geológicas e talvez até mesmo sinais tecnológicos, de acordo com a campanha.

A primeira fase está na metade, com sua finalização estimada por volta de 2019.
Fundação PLANETS

Jeff Kuhn, membro da diretoria da Fundação PLANETS disse:

Despendemos todo o nosso histórico científico tentando compreender o nosso lugar no Universo.  A razão para fazermos ciência é a perspectiva – saber o quão grande o Universo é… não podemos pensar numa questão mais importante do que descobrir que, de fato, não somos a única civilização ou não somos a única forma de vida no Universo.
Reconhecendo que muitas pessoas oferecem apoio em troca de uma recompensa, a equipe do Telescópio PLANETS desenvolveu o ExoCube, um mapa 3D dos exoplanetas vizinhos adornados por uma esfera representando um destes corpos celestes. Os mapas e esferas estão disponíveis no Kickstater para doações de US$140.

Faltando um mês para o final da campanha, ela angariou mais de US$18,650 de sua meta de US$20.000.

terça-feira, 25 de abril de 2017

OVNIs no Algarve - Portugal

Matéria elaborada por: Dr. Luís Lourenço

Nesta secção vou narrar alguns casos ocorridos no Algarve. 

É importante referir que, seja em que região for, em Portugal ou no mundo, existem casos que não são reportados às autoridades seja porque as testemunhas não dão demasiada importância ao assunto, seja porque têm medo do ridículo, seja por outra razão qualquer.
Pessoalmente conheço diversos em que isso acontece: as testemunhas “retraem-se” até porque muitas vezes aquilo que viram podia não ser necessariamente uma nave extraterrestre mas sim algo que ficou apenas no plano do “não identificado” o que já não é pouco.

Por ser algarvio, dei prioridade, nesta secção, a casos ocorridos no Algarve.
Os casos são extraídos do livro Ovnis em Portugal (1978) de Joaquim Fernandes da editora Nova Crítica, Porto.

Algoz, Concelho de Silves 10/06/1960
O Sr. Carlos Sabino, alfaiate de profissão, dirigiu-se a Algoz, como era seu costume, assistir à emissão de televisão, que poucas pessoas possuíam na altura, sendo mais comum existir nos sítios públicos: sociedades recreativas e cafés. Despreocupado com as horas na conversa com os amigos, quando deu por si já eram três e meia horas da madrugada e pôs-se a caminho de Silves. Acompanhado por um cão, de nome “Filipe”, fez-se à estrada naquela noite de Lua Cheia.
No sítio de Peras, a pouca distância da povoação, viu o que a princípio supôs ser um automóvel.
Logo se alarmou devido à intensa luminosidade que se desprendia do objecto, um disco voador, e agachou-se, cheio de medo atrás de uma moita, observando as manobras de seis pequenos humanóides, «homúnculos» como lhes chamou o Diário de Notícias do dia 13/06/60, à volta do aparelho. Quanto ao “Filipe”, o rafeiro que o acompanhava, “fugiu a bom fugir!”, assustado com o que presenciara.
Minutos depois o estranho objecto elevou-se na vertical e desapareceu. Carlos Sabino aproveitou essa oportunidade para correr para casa, mas a cerca de 50 m da sua habitação foi outra surpreendido por um objecto voador, talvez o mesmo, que vasculhava o solo com um feixe de luz intensa, finalmente, o objecto desapareceu para não mais voltar.
Durante muito tempo as pessoas da região comentaram esta estranha história, até porque, segundo diziam, Carlos Sabino, sempre se mostrou uma pessoa séria, “amiga da verdade” e, inclusive, nunca gostou de desenvolver muito o assunto acerca do que vira naquela noite.
O seu pavor era real e foi testemunhado por muita gente.


Rio Alvor, Concelho de Portimão
Agosto de 1976
João Marçano, pescador, e Jorge Vidal Marçano, estudante, remavam na Ria de Alvor, ao romper do dia, quando viram surgir um estranho objecto que ao deslocar-se emitia um zumbido, sendo esse zumbido o que primeiro lhes chamou a atenção.
O objecto deslocava-se de Noroeste para Este, tinha cor verde, forma de disco com diâmetro estimado entre oito e dez metros, encimado por uma cúpula e com “luzes intermitentes à volta”, deixava atrás um rasto de chamas.
O objecto deslocava-se a muito baixa altitude e dava a impressão de estar a contornar o terreno.
As testemunhas ficaram com medo à passagem do objecto e até baixaram-se no barco quando aquele passou por cima deles.
A duração total da observação foi de 20 a 30 segundos e terminou com o objecto a afastar-se a grande velocidade.

Praia da Quarteira 25/08/1976
Várias pessoas cujas identidades permaneceram anónimas referiram ter observado cerca da uma hora da madrugada do dia 25 de Agosto de 1976 um objecto luminoso que se deslocava a grande velocidade e a baixa altitude em direcção a sul nesta praia algarvia.
O OVNI, segundo disseram, apresentava muitas cores, sendo a mais frequente ou visível de todas, o vermelho e expelia jactos luminosos.
Depois da passagem do objecto voador, uma das testemunhas resolveu telefonar para o Aeroporto de Faro para indagar se havia ali conhecimento da aterragem ou descolagem de qualquer avião à hora em que o objecto foi visto.
Responderam que não, dado que as aeronaves que ali aterraram e descolaram o fizeram apenas até as 22 horas.
Alguns Casos Que Me Foram Relatados Pessoalmente
Uma senhora que conheço contou-me que viu um OVNI quando ainda era criança.
Era de aspecto metálico e tinha a forma clássica de disco com cúpula.
Vi que ela me descrevia aquilo que o Dr. Hynek chamava “objecto diurno” (é geralmente nesse tipo de visões que os objectos tendem a se apresentar “metalizados” sendo que à noite tendem a aparecer mais sob a forma de objectos luminosos).
Perguntei-lhe “você viu esse objecto de dia, não foi?” o que confirmou.
Ela tinha seis anos, viu o objecto e disse ao pai mas o pai não o viu a tempo ou não ligou.
O objecto desceu para uma quinta perto da casa deles e ela foi ver.
Teve que dar uma volta grande para entrar na quinta por causa de uma cerca e o objecto já não estava lá.
Perguntei-lhe se tinha deixado marca de aterragem.
Ela disse-me que sim e fez um reparo interessante: achou que o objecto era pequeno. Respondi-lhe que o tipo de nave que ela viu – o clássico objecto discóide, comum em 38% das observações segundo o Catalogo Poher (Scornaux e Piens, 1978) costuma ser de pequenas dimensões pois são, ou parecem sugerir, naves de reconhecimento; distinguem-se das “naves-mãe” das quais, por vezes, são vistos a sair, e que, geralmente, apresentam-se cilíndricas ou em “forma de charuto” sendo por isso frequentemente chamadas na ovnilogia de objectos em forma de charuto ou objectos-charutoides.
No tempo dela, e isto foi outra observação interessante que ela fez, utilizava-se pouco a palavra ovni. 
“As pessoas usavam mais frequentemente a expressão disco voador”, realçou.

Numa das circunstâncias citadas acima uma senhora, mãe de um amigo meu, o seu marido, já falecido, entretanto, e amigos viram discos voadores.
Digo “discos voadores” porque em duas dessas circunstâncias os objectos TINHAM MESMO a forma de discos ou, como a senhora (não vou citar o nome dela) disse “pratos”.
Ela viu OVNIs em, pelo menos, três circunstâncias diferentes e da primeira vez o seu marido não acreditou nela pois não tinha partilhado a observação mas depois ficou surpreendido porque a notícia acabou por sair no jornal.
Em Portimão, a mãe e a irmã de um amigo meu viram, através da janela da sua casa, um objecto voador em forma de disco pairando por cima de um prédio vizinho e quase a aterrar em cima do mesmo.
Eram pessoas que nunca se interessaram muito pelo assunto dos OVNIs, antes e depois do acontecimento!

Estas são as verificações, que cada um pode fazer.
Se nos interessarmos o suficiente pelo assunto, e se formos intelectualmente honestos, as pessoas sentem-se à vontade para nos contarem as suas observações ou experiências com OVNIs. 
Elas não vão contar – e compreende-se o porquê! – a quem não quiser acreditar nelas, estiver predisposto a negar ou a fazer troça do assunto.
A “troça”, diga-se de passagem, é um mecanismo de formação reactiva. Significa que a pessoa que está a ser “espirituosa” sobre certo assunto está a deixar que o lado emocional tome conta do assunto.
No fundo, as supostas implicações do assunto a incomodam.
Insisto em que existência de testemunhas reais e fidedignas permite que o fenómeno OVNI não possa ser encaixado na categoria dos boatos, rumores ou mitos urbanos, como o pretenderam certos autores que, no fundo, demonstram um conhecimento superficial da ovnilogia.
Tudo parece indicar, portanto, que “eles”, sejam quem forem e venham de onde vierem, andam aí (!) 
Existe “qualquer coisa”, há um fenómeno a ser estudado.
Agora, resta saber o que é.

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Piloto aviador português viu um OVNI no Algarve

Enviado por: Roger Marsh, editor da MUFON e da openminds a 17 de maio de 2016

Um testemunho português residente em Faro, piloto aviador, relatou a observação de OVNI cruzado o céu, de acordo com o Caso 74679 da Mutual UFO Network (MUFON).

A testemunha estava fora de casa às 3 da madrugada a 13 de Setembro de 2015, quando o incidente ocorreu.

"Algarve, Portugal, o avistamento foi de um OVNI ", afirmou a testemunha.
"Irei utilizar frases da aviação para descrever as condições. 
Sou piloto à mais de 15 anos. ", acrescentou.

Descrição do objeto.

"Nenhum ruído, nenhuma mudança direcional, trajeto em linha reta que voa sobre a linha costeira em aproximação à pista 270 curso magnético.
O sol de setembro estava brilhando condições claras CAVOK.
Do lado onde o sol iluminou o objeto era branco e tinha uma forma como um micro plano Katana.
Na parte de trás parecia um pau de hóquei, como um aileron que não se movia.

A testemunha revisou a posição do objeto e a velocidade do solo.

"O objeto estava voando sentido oeste paralelo a leste à direita em direção ao aeroporto de FAO (o habitual tráfego comercial de saída) encaminhamento.
Isto significa contra a direção do tráfego comercial e um pouco acima da rota.
O objeto estava movendo-se com aproximadamente 250 KTS firmemente. "

A testemunha tentou manter o objeto à vista enquanto se movia.

"Enquanto eu corria atrás do edifício seguinte para segui-lo, estava fora de minha vista em ângulo aproximadamente 60 graus do horizonte diretamente sobre o centro de cidade de Quarteira, Portugal, sentido Albufeira."

A testemunha assegura que nunca tinha visto tal objecto.

"Conclusão: Temos uma pequena casa na área que tenho visitado de à 25 anos.
Durante este tempo nunca testemunhei tal objeto voando na área.
Também tenho certeza de que nenhum piloto consciente seria inresponsável, ao voar no sentido de uma área de partida de um aeroporto internacional, isso seria suicídio ".

Monique Lessan, da MUFON International, investigou e fechou este caso como Desconhecido.
O caso foi relatado à MUFON a 23 de Fevereiro de 2016.

"A visibilidade estavam boa", escreveu Lessan no seu relatório. "Isto significa que em uma escala de 10 milhas náuticas em torno do ponto não havia nenhumas nuvens ou o teto da nuvem até 10,000 pés / terra.
De acordo com a testemunha, o objecto veio do leste e dirigido em linha reta para o oeste na altitude constante.
Nenhuma luz de posição, nenhum ruído, nenhum brilho - nada.
A testemunha afirmou que enquanto passava sobre o edifício à esquerda, ele correu, para segui-lo, acabando por perder a sua visibilidade.
A testemunha ficou atordoada!
A testemunha disse que o objeto voava muito alto ou então era um objecto pequeno, mas podia vê-lo claramente com os olhos.
A testemunha também pensou que fosse a ISS, um Satélite ou similar, mas esse tipo de objetos, você não seria capaz de vê-lo tão brilhante dia com os olhos nus.

O investigador concluiu o caso.

"A testemunha parece ser profissional e confiável.
Tendo sido um piloto de longo tempo - mais de 15 anos - ele é muito específico com o seu cálculo e conclusões.
Depois da minha investigação poderei colocar a possibilidade de um UAV Drone. "


Aeroporto Internacional de Faro 
O mês de Setembro do ano 2015 em Portugal revelou alguma actividade.
Veja...

Braga

Lisboa

Porto

Entre outros casos isolados que não nos são diretamente reportados...

Praia de Quiaios - Figueira da Foz

Vila do Conde                            ver estes três casos...

Praia da Rocha - Algarve

Só no ano 2015, o Ufo Portugal Network recebeu 31 casos que mereceram a nossa atenção e disponíveis no arquivo online.

Ufo Portugal Network Official partners of (ESUN) European Space UFO-Network

Eles andam aí: 3 relatos de OVNI’s em Portugal 2015

Três relatos que certamente você desconhecia...

1 - Luís Neves, tem 43 anos e é técnico de informática. No dia 5 de Agosto 2015, quarta-feira, cerca de 23 horas, estava junto do passadiço de madeira na Praia de Quiaios e vê por cima do horizonte, talvez a dois palmos da linha da água, três pontos de luz com uma magnitude um pouco inferior à de Vénus.

Luís Neves conseguia ver ao longe as luzes dos barcos pesqueiros e despertou-lhe a atenção para três pontos luminosos que pareciam umas estrelas, com luz fixa, passados poucos segundos de presenciar esses três pontos, os mesmos que até ali estavam imobilizados, arrancam a uma velocidade enorme, tendo feito o percurso entre o horizonte e a Serra da Boa Viagem em cerca de dois a três segundos.

Este informático, acha que as nossas aeronaves não podiam vencer a inércia e deslocar-se a tal velocidade. Depreende que são os conhecidos ovnis, feitos com tecnologias extraterrestres.

Para sua maior admiração as três estrelas em triângulo, viajavam em uníssono, sempre à mesma distância, desde o horizonte até desaparecerem em direcção à Serra da Boa viagem, fazendo uma linha entre o ocidente e o oriente.

Para esta testemunha aquelas naves viajavam a uma altitude bastante elevada.

2 - Anabela Sousa mora em Vairão – Vila do Conde, tem 43 anos e é vendedora de
profissão. No dia 8 Agosto 2015 – sábado, foi dar uma caminhada com a sua vizinha depois do jantar como faz habitualmente, e quando estavam a regressar para casa vêm um conjunto de luzes muito estranhas. Eram umas 22h 45mn, e a iluminação pública em frente às suas casas por vezes falha, o que facilita a visibilidade.

Eram três objectos que estavam a voar em formação, tipo um triângulo largo e foi isso que nos chamou a atenção. Não emitiam qualquer ruído e pareceu-nos voar mais baixo que um avião comercial. Emitiam uma luz fraca mas era circular e pulsante.

Vinham na direcção sul-norte. Ficamos a observar e entretanto dois desses objectos seguiram para norte e o terceiro afastou-se em direcção ao poente.

Anabela e a vizinha ficaram um minuto em frente às suas casas e viram que mais apareceram mais objectos vindos da mesma direcção e com a mesma configuração.

Dois desses objectos seguiram em voo normal para norte e um terceiro estranhamente deu como uma volta de 180 graus e voltou para trás. Todo o fenómeno durou cerca de três minutos.

Os objectos voavam a uma altura relativa e não pudemos ver a forma concreta. Não emitiram qualquer luz para o solo nem ruído. Tanto a Anabela como a sua vizinha estavam na plena posse das nossas faculdades.

3 - Margaretha Smidt, é cidadã Holandesa e vive no Algarve, tem 75 anos e durante
muitos anos trabalhou em negócios da moda. No dia 25 de Julho de 2015, entre as  02,15 e as  02,30 horas estava na Praia da Rocha no Algarve a 184 km a sul de Lisboa.

Viu entre dois prédios que poderiam estar afastados um do outro cerca de 40 cm, duas luzes que estavam no mar. Essas luzes estariam talvez a 1000 metros de distância do local onde esta testemunha estava.

As luzes estavam paradas sobre o mar e teriam a magnitude da boca duma chávena de café (bica), isto é à distância dum braço estendido teriam cerca de 4 cm.

As luzes estariam a cerca de dois palmos de altura do mar (40 cm).

Depois uma das luzes começou a subir na vertical em forma de zig-zag. A outra luz permaneceu no local durante alguns momentos. Essa luz que ficou apresentava um aspecto pulsante, tendo depois começado a deslocar-se lentamente para a esquerda em linha recta e desapareceu na direcção de Sagres.

Crédito: vortexmag.net & apovni.org 

Após 49 anos, relato de brasileira impressiona com detalhes extraterrestres Força Aérea chegou a investigar o caso.


Muita gente não acredita em vida extraterrestre, mas esse é um tema que, certamente, vira e mexe, volta a virar alvo de debates entre os seres humanos.
No Brasil, a discussão sobre extraterrestres, os objetos voadores não identificados (OVNIs) e outros temas relacionados à questão não costumam ser tão explorados.
Estudos publicados por investigadores brasileiros, no entanto, mostram que ao longo dos anos as Forças Armadas teriam investigado o tema.
Um dos casos mais conhecidos que ocorreu no Brasil, mas que havia sido esquecido até então, foi o registado no município de Lins, no estado de São Paulo.
Naquela época, uma suposta aparição extraterrestre teria sido vista por uma testemunha, Dona Maria José Cintra.
O caso aconteceu em 1968 e a protagonista dessa história já faleceu.

Quem traz novidades a respeito do caso são investigadores do Brazilian UFO Research Network (BURN). Josef Prado e Edison Boaventura Jr gravaram um vídeo, que pode ser visto ao final desta reportagem, e que mostra uma entrevista de Maria à época.
O estudo, segundo os investigadores, também foi objeto de análise da Força Aérea Brasileira e a situação é vista como misteriosa até hoje.
A mulher testemunha do fenómeno de outro planeta garantiu, naquele episódio, que teve contato com a alienígena quanto trabalhava no hospital da região.

Maria José Cintra era uma mulher caridosa e cuidava dos mais abandonados daquela época, os "leprosos" (hoje a doença que os acometia é chamada de hanseníase).
Além disso, também ficavam no hospital pessoas com problemas psiquiátricos.
No dia 24 de agosto de 1968, alguns funcionários do hospital viram uma luz misteriosa, que se formava como se fosse uma grande bola.
Não foi só Maria que assistiu ao fenómeno, mas ela virou uma testemunha chave do episódio.

Um dia, depois da esfera dominar o hospital, Maria teve uma experiência estranha.
Ao estar com um terço nas mãos, ela ouviu um barulho estranho do lado de fora da unidade de saúde.
Ao abrir a porta, ela viu uma mulher imóvel, que achou que fosse uma doente, mas ao chegar perto, percebeu que essa vestia um capuz.
A tal mulher tentou comunicação, mas a língua não era conhecida.
A possível extraterrestre entregou à Maria uma garrafa e do nada teria aparecido também uma caneca.
A servente do hospital acabou se urinando, tamanho seu temor.

Por conta do caso, a Força Aérea teria recolhido amostras da região, onde um suposto OVNI pousou, mas até hoje o caso tinha sido abandonado.

Veja abaixo um vídeo que mostra parte do áudio da entrevistada na época em que o caso aconteceu.
Segundo os investigadores, esta entrevista nunca foi exibida pela mídia brasileira desde que o caso veio à tona na década de 1980, quando a protagonista da história, dona Cintra, conversou com uma rádio local.


&


sábado, 22 de abril de 2017

Como Relatar um Avistamento de OVNI


Algumas normas simples de como relatar a observação de Objectos Voadores Não Identicados.

Objetos Voadores Não Identificados (OVNIs) são de origem desconhecida e não tem uma identificação. Caso tenha visto um, você pode ter informações que as autoridades competentes considerariam muito interessante. Você precisa apenas transformar sua experiência em um relato coeso e entregá-lo às pessoas certas. Caso ele seja suficientemente convincente, você pode até mesmo receber uma resposta. Então agarre caneta e papel, pois você tem alguns detalhes para discutir.

1
Escreva imediatamente os dados básico da sua experiência. Independente de onde vá apresentar seu relatório, você precisa seguir a mesma estrutura básica. É melhor fazer isso logo após o avistamento, assim tudo ainda estará fresco em sua cabeça. Quanto mais recente, mais exato possível. Você usará essas informações para apresentar seu relatório aos órgãos específicos. Seguem os dados pelos quais deve começar: [1]
Número de testemunhas (para ser válido, deve existir ao menos outra pessoa)
Horário
Localização (se você viver perto de uma base aérea, ou local similar, seu relato pode ser descartado)
Número de objetos avistados
“Não” inclua suas informações pessoais no corpo do relatório. Isso terá que ser removido posteriormente.

2
Inclua quantos detalhes sobre o objeto forem possíveis. Quando mais detalhes você tiver, mais convincente sua história será (ou mais fácil será determinar se é alguma outra coisa). Lembre-se da sua experiência. Existem aspectos que você deve cobrir:
Luzes (Quantas existiam? Elas piscavam, ou eram sólidas?)
Cores (As cores mudavam?)
Brilho (compare com outro objeto, se possível)
Movimento (Quão rápido se movia? Movia-se para cima e para baixo? Para frente e para trás? Suavemente, ou erraticamente?)
Comportamento (O objeto se moveu, ou aterrissou, emitiu luz, sons, ou liberou outros objetos?)
Interações com o espaço (Ele se envolveu com alguma outra aeronave nas proximidades, produziu efeitos elétricos, ou magnéticos, como desligar o motor de um carro?)
Rastro, névoa, etc. (Existia alguma aura, ou névoa ao redor do objeto, alguma nuvem, ou rastro de fumaça deixado pelo objeto?)

3
Anote seu tamanho e o quão distante o objeto estava. Pense em segurar um objeto com o braço esticado, bloqueando a vista do OVNI. [2] Você precisou de uma moeda? Um biscoito? Uma bandeja? Algo entre os dois? Isso deve ser o mais preciso que conseguir.
Pense nos outros objetos ao redor para determinar o quão distante ele estava. Estava logo acima das árvores? Das montanhas? Dos fios de eletricidade? Torre de Satélite? Isso pode ajudá-lo a avaliar a distância aparente.

4
Inclua detalhes sobre o formato da aeronave. Existem alguns padrões comuns atualmente conhecidos – sua experiência coincide com alguma dessas formas?
“Pires”: existem três variedades – abobadado (estereotípico), lenticular (formato de pistache) e lenticular com uma cúpula
“Chapéu”: existem três variedades – chapéu cônico, chapéu duplo e chapéu de palha com o topo plano
“Esférica”: uma forma circular padrão
“Saturno”: na forma do planeta, como se o objeto tivesse anéis
“Elipsoidal”: forma oval ao pairar e de bola de futebol americano durante o voo
“Cilíndrica”: o objeto se parece com um cigarro gigante
“Dirigível”: em forma de uma bala pontuda; geralmente seguida por uma cauda luminosa
“Triangular/bumerangue”: com pontas, ou em forma de V, como um bumerangue.

5
Anote o clima e o horário do avistamento. Quanto melhor o clima (poucas nuvens, sem chuva, etc.) mais confiável será sua história e mais difícil será argumentar que você não viu aquilo que diz ter visto. Contudo, que seja dito – não se sinta tentado a mentir se o clima estava ruim; é muito fácil descobrir como estava o tempo nesse dia, se for preciso.
Caso o dia estava nublado, ou chuvoso, explique como isso afetou sua visão. Isso obscureceu alguma coisa, mesmo que seja parcialmente, de sua vista? Alguma coisa mudou quando as nuvens se dissiparam e a chuva parou? O que você viu poderia ser uma distorção visual causada pelas nuvens, ou outro fenômeno natural?

6
Inclua alguma foto, ou vídeo. Uma das formas mais efetivas de tornar seu avistamento convincente é incluir fotos, ou vídeos – isto é, “boas” fotos, ou vídeos. Não perca tempo fabricando algo – fraudes sobre OVNIs existem há tempo suficiente para a maioria já ter sido desmascarada.
As melhores fotos “não são” digitais. De fato, negativos (em um filme tangível) são as melhores formas de provar que uma foto não foi adulterada. Caso seja digital, não pense em alterar nem mesmo seu tamanho. Caso suas configurações originais sejam alteradas, mesmos mínimos detalhes, ela pode ser descartada.
Os melhores vídeos são aqueles com outros objetos de referência e o enquadramento deve ser fixo, assim você poderá ver o movimento do OVNI, ao invés do vídeo ficar se mexendo junto com ele.

7
Tome nota de todos os impedimentos que enfrentou no momento. Seus sentidos foram prejudicados, ou impedidos? Esses podem ser pontos similares aqueles que um agente da lei abordaria. Pense nos seguintes detalhes (e seja honesto):
Objetos entre você e o OVNI que atrapalharam sua visão
Caso estivesse usando lentes de contatos, ou óculos no momento do avistamento
Caso estivesse usando fones de ouvido, ou algo que impediu, ou atrapalhou sua audição.
Caso estivesse resfriado, ou alguma coisa que impedia seu olfato de funcionar adequadamente
Caso estivesse tomando medicamentos prescritos, ou sob influência de álcool, ou outras drogas.

8
Escreva isso tudo em um relatório coerente e envolvente. Quebre os parágrafos para torná-lo mais fácil de ler. Inclua qualquer conhecimento específico que possua em sua formação, que contribua para a sua história (por exemplo, se você for um piloto, ou tenha treinamento mecânico, ou de voo).
Ele não tem que ser extravagante, mas deve ser digitado (você provavelmente terá que submetê-lo online, assim pode apenas copiar e colar) e revisado. Quanto melhor elaborado, mais a sério será levado.

9
Esteja pronto para mais questões, ou solicitação de evidências. Caso seu relatório seja válido e intrigante, você pode ser convidado a dar uma entrevista. Caso o processo continue, sua câmera pode ser requerida e você pode até mesmo ser interrogado sob juramento. Esse tipo de coisa é levado muito a sério; caso esteja apenas fazendo uma brincadeira, será descoberto.
Caso prefira permanecer anônimo, a maioria (se não todos) os formulários podem acomodá-lo. Isso não afetará como seu relatório será processado. Apenas em raras situações será solicitado que se identifique (caso você tenha uma filmagem inquestionável, por exemplo).

Nunca pague ninguém para exibir sua experiência. Existem toneladas de websites por aí que são fraudulentos. Caso tenha vivenciado uma experiência verdadeira, apenas recorre às fontes confiáveis. Faça sua pesquisa antecipadamente e nunca autorize ninguém a “vender sua história” por você. Ela é sua. Você deve fazer o que quiser com ela.

Esteja preparado para os opositores. Quando um assunto sobre algo sobrenatural aparece, as pessoas assumem um dos lados da questão. Existirão aqueles que escutarão sua história e vão considerar que você está comprovadamente louco, e isso é normal. Também existirão aqueles que serão inspirados e desejarão ter sua própria experiência. Não deixe que nenhuma dessas opiniões influencie você. O que eles pensam não é importante, de qualquer forma.
Quando mais visibilidade alcançar (TV, YouTube, etc.) mais opositores existirão. Em certas situações, pode haver certa repercussão. Caso esteja preocupado sobre isso, deixe seu nome fora da questão. Contudo, a maioria dos casos não recebe publicidade suficiente para que isso se torne um problema.

Fonte

Em caso de observação entre em contacto com o UFO Portugal Network
Email: ufo_portugal@sapo.pt 

sábado, 15 de abril de 2017

Praticante de BTT regista fenómeno luminoso no Concelho de Trofa - Portugal

Localização - Guidões - Trofa

Data hora - 11/04/2017 - 11:59h

Testemunha - Sr. Rui Pedro Rocha

Mais um caso intrigante que nos chega de um praticante da modalidade Mountain Bike ‘BTT’, que ficou surpreso com a observação de algo de estranho, anômalo visível por 10 a 20 segundos.
O Sr. Rui Rocha, conta que ao realizar a parte final se uma íngreme subida, viu uma luz estranha para qual pensou ter alucinado ou ter sido aquela impressão de que se viu algo e não viu.

Parou e bateu a foto naquele momento inóspito e repentino.
Porém a surpresa estaria para vir ao consultar o seu telefone Samsung modelo S7, que lhe revelou para sua surpresa de que não se tratou de um delírio, impressão de que viu e não viu!
Afinal a testemunha viu realmente alguma coisa e o seu equipamento móvel comprovou exatamente isso mesmo.

Testemunha: “Foi tudo muito rápido e não me apercebi de qualquer som. Depois de ter tirado a fotografia olhei para o ecrã do meu Samsung S7 para ver se tinha apanhado o tal OVNI e quando voltei a olhar para o local já não estava lá nada, e isto demorou o quê? 1 segundo? 2 no máximo...? 'Visualização no telefone'...

Foto original
A coisa muito estranha que aconteceu foi o seguinte. Eu tenho activado no telemóvel uma função na câmera que, por defeito e em TODAS as fotografias que são tiradas, o S7 filma os 3 últimos segundos até a foto ser tirada. Se quiser perceber melhor há muita informação disponível na net sobre esta função. E é aqui que chegamos à tal coisa muito estranha. Das muitas centenas de fotos que já tirei com o S7 esta foi a ÚNICA foto em que esta função não ficou disponível”



Numa ampliação de imagem constatamos não parecer ser ‘lens flares’, pelo que o Sol se esconde por detrás das copas das árvores.
A luz, reflexo ou objeto aparenta estar a uma altitude muito acima das árvores como se pode constatar na fotografia.
Após consulta sobre a possibilidade de ser o reflexo solar na fuselagem de alguma aeronave, ficamos a saber que as únicas aeronaves nas proximidades estariam já sobre o Aeroporto Francisco Sá Carneiro, com duas aeronaves da Rayaner, uma da Brussels Airlines e outra que não conseguimos identificar.
Isto na data e hora apresentada pela testemunha.

A luz, objecto observada e registada pelo seu equipamento móvel, revela uma fisionomia um tão pouco estranha, fora do vulgar, inclusive para um reflexo, refração de luz solar sobre a lente do seu telefone!

A foto não foi subtida a qualquer tipo de filtros, ou adulteração, manipulação digital mantendo desta forma toda a sua originalidade.
Apenas sofreu zoom e corte de forma a extrair com mais pormenores o objeto para consulta dos leitores e consultores.

Se você observou o mesmo fenómeno queira entrar em contacto com o UFO Portugal Network através do email: ufo_portugal@sapo.pt 

Toda e qualquer informação adicional será muito bem vinda.

Este não é o primeiro caso presenciado por um atleta praticante de BTT!
Em 2011 outro fenómeno era também reportado pelo Sr. António Luís na Serra do Gerês que pode consultar "AQUI".